Gestão Financeira

A ECOS tem como objetivo principal gerar serviços de comunicação em saúde de caráter gratuito público e procurar soluções para a redução de problemas econômicos e sociais. Diariamente, a organização enfrenta diversos desafios para captar seus recursos, seja de forma direta, seja de forma indireta, além de gerir e distribuir os recursos disponíveis. Tais verbas advêm principalmente de doações, contribuições, subvenções e do voluntariado.

Em sua trajetória ao longo do tempo, a instituição já obteve 80% dos seus recursos de investidores internacionais. Grandes empresas brasileiras, como a Petrobras, foram responsáveis pela entrada de verba em projetos de sucesso, movimentando ao todo aproximadamente R$ 400 mil no ano; em 2015, o montante foi de R$ 200 mil. Com a mudança do cenário econômico no Brasil e a saída dos patrocínios, a nova gestão vem lutando para manter a instituição.

Com esforços dos voluntários, em 2016 e 2017 a verba foi captada por meio de editais, nos quais apenas projetos de interesse social sólidos são apoiados, além da venda de itens produzidos pela organização.

A gestão financeira da ECOS é realizada pelo voluntário e advogado Lucas Seara. As diretrizes financeiras, assim como a prestação de contas, seguem as solicitações dos financiadores do projeto apoiado, com a retaguarda do escritório de contabilidade escolhido.

A instituição não possui gastos fixos diários. Todo gasto com contratação de escritórios de contabilidade e consultoria jurídica, além de profissionais especializados para a coordenação de projetos e técnicos, integra o orçamento original apresentado.

Com os esforços da diretoria e colaboradores em retomar as atividades da ONG, os diretores estimam uma curva ascendente do orçamento para os próximos anos, captando aproximadamente R$180 mil reais para 2018.

© 1989 - 2018 ECOS - Comunicação em Sexualidade. Todos os direitos reservados.