Futuro e Perspectivas

Ter sido convidada à diretoria da ECOS é um dos trabalhos mais desafiadores da minha jornada profissional. O desejo é o de realizar uma administração participativa, com um processo de escuta apurado, ampliando parcerias com todos os segmentos da sociedade.

A trajetória da instituição e de sua equipe, permite pensar na importância de que a ECOS promova experiência capazes de influenciar o campo da gestão, monitoramento e implementação de políticas públicas no campo da saúde e dos direitos humanos a partir da perspectiva da interseccionalidade de raça, gênero, diversidades e condição socioeconômica como questões fundamentais, tanto para potencializar eixos de opressão e desigualdades, quanto para gerar processos de desconstrução dessas desigualdades, abrindo a possibilidade de transformação das instituições na promoção de igualdade social, racial, de gênero e identidade de gênero.

Temas relacionados às políticas públicas, advocacy, desenvolvimento social, relações de gênero, masculinidades, racismo, sustentabilidade e justiça social fazem parte do dia-dia desse trabalho.

Nesta nova etapa da ECOS estamos procurando manter as bases de trabalho aos quais a ECOS é conhecida, além de introduzir novos mecanismos para o fortalecimento institucional de outras organizações de base comunitária, cujos temas, estejam em acordo com as linhas de atuação e perspectivas da nossa proposta.

Faremos isso através da adaptação de ferramentas de gestão social e assessoria jurídica na expectativa da melhoria do serviço para o cidadão, no aumento da eficiência e impacto comunitário.

Assim convido todos vocês, leitores, a serem parceiros dessa tarefa que se pretende cada vez mais participativa, cooperativa, inovadora e próxima as reais necessidades de grupos sociais desfavorecidos de modo a contribuir de forma mais efetiva as necessidades presentes no atual estágio de desenvolvimento do país.

Juny Kraiczyk
Coordenadora Geral da ECOS – Comunicação em Sexualidade

  • Últimas da ECOS

    Como resposta à violenta repressão policial realizada há exatamente 50 anos no Stonewall Inn, bar queer de Nova York, uma imensa revolta tomou forma. Liderada por Marsha P. Johnson, uma transgenere negra, a resistência marcou a história LGBT, representando um marco de luta por direitos e pela liberdade de amar. Hoje, diante desse cenário sociopolítico, reiteramos mais que nunca que toda forma de amor é justa, e que o único problema está no preconceito.
    #pride #orgulholgbt #28j #loveislove #rainbow #nemumpassoatras
    ... Ver maisVer menos

    Ver no Facebook

© 1989 - 2018 ECOS - Comunicação em Sexualidade. Todos os direitos reservados.