Fliperama – Intervenções Urbanas

Projeto Fliperama, em sua segunda fase, realiza intervenções urbanas na região da Brasilândia, São Paulo. Formado por um grupo de jovens coordenado por educadores multimídia, o Fliperama propõe a transformação da região a partir de trabalhos artísticos realizados por seus próprios habitantes.

O que são intervenções urbanas?

Nossa compreensão de intervenção urbana é bem ampla e inclui tudo aquilo que possa promover uma transformação, momentânea ou perene, na relação das pessoas do bairro com uma determinada localidade. Isso inclui desde propor uma performance irreverente com as pessoas que estiverem passando por uma rua em um determinado momento até realizar reparos em uma praça para que ela se torne um local mais acolhedor e interessante.

Por que o projeto é realizado com jovens?

Crescer implica necessariamente correr riscos. Quando crescemos, deixamos de viver uma vida inteiramente ditada pelos nossos pais e pelos outros adultos e passamos a nos sentir responsáveis por ditá-la. Mas não estamos sozinhos. Precisamos ser reconhecidos pelos outros, precisamos provar o nosso valor, nossa coragem e a nossa capacidade. O nosso desafio é recriar com os jovens ritos de passagem em que se ofereçam as condições para que eles possam expressar o seu valor, as suas capacidades e a sua coragem nos espaços públicos, por meio de intervenções reais no panorama dos locais em que vivem.

Como fazemos?

Selecionamos um grupo de 70 jovens que são bolsistas do projeto. Como o projeto está baseado na ideia de rito de passagem, em que os jovens se apropriam do seu próprio corpo para intervir na paisagem urbana, é preciso trabalhar para que o corpo se liberte de suas opressões cotidianas, de seus automatismos, de suas carcaças. Nesse sentido, ocupamos parte dos nossos encontros com jogos corporais. Em outros momentos, partindo de todas as linguagens artísticas – teatro, música, desenho, texto, fotografia, vídeo – inventamos juntos intervenções no espaço urbano, surgidas como resultado do processo porque nascem do encontro entre interesses os mais diversos.

Quem somos?

Tommy Pietra – coordenador, educador e editor web; Thais Di Marco – educadora; Marcela Varconte – educadora e coordenadora de articulação em rede; Sylvia Cavasin – coordenadora; Osmar Leite – administrador; Avelino Regicida – produtor.

Desde quando Fliperama?

Estamos agora na fase 2 do projeto. O primeiro módulo aconteceu entre 2011 e 2012, em três regiões periféricas distintas do Estado de São Paulo. Na Brasilândia, onde permanecemos neste segundo módulo, em São José dos Campos e em Embu. O projeto tinha o caráter de mapeamento destas regiões e era realizado em parceria com 6 Unidades Básicas de Saúde. Havia 6 grupos de jovens que ocupavam as UBS semanalmente para criar conteúdo de um mapa virtual que alimentava as máquinas de Fliperama instaladas também dentro das Unidades. Para conhecer mais a fundo essa primeira fase é possível ler a publicação Nós no Mapa, que a encerrou, disponível no site do projeto.

Conheça o site oficial do projeto: http://fliperama.org.br/

  • Últimas da ECOS

    Hoje, dia 15 de Julho se comemora o “Dia do Homem”. Esse dia nos faz pensar se deveríamos e, como deveríamos comemorar o tal “Dia do Homem”. Mas afinal de que homens estamos falando? São tantas as masculinidades quanto diversas as opressões de gênero. Que o “Dia do Homem” sirva como lembrança pro necessário enfrentamento dos modelos hegemônicos de gênero, do racismo, da hetoronormatividade, do binarismo de gênero e demais mecanismos que se traduzem em injustiças sociais, violência e opressão. Que essa data nos recorde que há muito o que fazer se queremos ultrapassar as barreiras de acesso à saúde integral e equânime para homens jovens e adultos. ... Ver maisVer menos

    Ver no Facebook

    5 dias atrás

    ECOS - Comunicação em Sexualidade

    Ainda celebrando a escolha de Denise Carreira, que faz parte da nossa coordenação executiva, entre as brasileiras que integram a Rede Gulmakai do Fundo Malala, deixamos a nossa dica para que você possa aproveitar o #MalalaDay por muitos e muitos dias:

    ✊ Demonstre apoio ao direito humano à educação em suas redes sociais.
    ✊ Conheça trabalhos de organizações do campo de defesa de direitos que atuam no combate às desigualdades de gênero e raça na educação.
    ✊ Valorize iniciativas locais e ações de meninas e mulheres em favor da educação na sua região.

    Essas são ideias de primeiros passos, muito podemos fazer juntas por uma educação de qualidade! #AçãoEmRede

    + sobre #MalalaDay : data em que celebramos o aniversário de Malala Yousafzai e reconhecemos seus esforços em defesa dos direitos humanos e da educação de meninas e mulheres.
    ... Ver maisVer menos

    Ver no Facebook

© 1989 - 2018 ECOS - Comunicação em Sexualidade. Todos os direitos reservados.